UM MODELO TEÓRICO PARA A RENDA RURAL A PARTIR DA ESTIAGEM OCORRIDA NA AMAZÔNIA EM 2005

Thiago Bandeira Castelo

Resumo


O presente artigo objetivou analisar a relação entre agricultura e extremos climáticos. Pontualmente, a forte estiagem ocorrida na Amazônia em 2005 (evento extremo e inesperado) pode ter promovido mudanças na alocação de trabalho e captação de rendas das famílias rurais. Diante desse cenário, foi elaborado um modelo teórico econômico que explicasse a relação da variável climática (precipitação) e a alocação de trabalho rural. Este modelo mostra que a relação entre as variáveis é negativa, ou seja, quanto menor o volume de chuvas, maior será a procura por rendas não-rurais. Análises do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (Censo Agropecuário de 2006) e do Sistema Integrado de Dados Ambientais (SINDA) do INPE mostraram que os estados do Acre, Rondônia e Amapá foram os mais afetados no período de seca que teve seu auge entre meados dos meses de maio, junho e julho de 2005 na região amazônica e um ano depois, notou-se a diminuição da população ocupada em atividades rurais.

Palavras-chave


Amazônia; Precipitação; Renda rural

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22410/issn.1983-036X.v26i2a2019.2048

Apontamentos



Direitos autorais 2019 Thiago Bandeira Castelo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Tradução automática: