Notícias

Univates/Florestal Alimentos/Bira disputa a final da Copa Brasil Sul de Basquete
Univates/Florestal Alimentos/Bira disputa a final da Copa Brasil Sul de Basquete

Univates/Florestal Alimentos/Bira disputa a final da Copa Brasil Sul de Basquete

Neste final de semana, o time de basquete masculino adulto do Vale do Taquari, o Univates/Florestal Alimentos/Bira disputa o quadrangular final da Copa Brasil Sul de Basquete em Campo Mourão, no Paraná.

O primeiro confronto será nesta sexta-feira, dia 27, às 18h, contra o rival Santa Cruz. Já no sábado, dia 28, às 16h, o Bira enfrenta o Brusque e no domingo, 29 de abril, às 11h, a partida será contra o Campo Mourão. O torcedor pode acompanhar a transmissão dos jogos pela Rádio Independente - 950 AM ou pelo site www.independente.com.br.

O campeão e o vice-campeão da Copa Brasil Sul de Basquete classificam-se para fase nacional da competição, a Super Copa Brasil, no período de 7 a 12 de maio, onde disputam uma vaga para o Novo Basquete Brasil (NBB).

O Clube conta com o patrocínio da Univates, Florestal Alimentos e Prefeitura Municipal de Lajeado. Como apoiadores, a Unimed VTRP, Construtora Diamond, Kikão Lanches, Imperatriz Hotel, CBTur, Fundação de Esporte e Lazer do RS (Fundergs) e Bergatur.

 

Texto: Ana Paula Vieira Labres

 

Diretor de Logística e Integração da Seinfra palestra na Univates
Diretor de Logística e Integração da Seinfra palestra na Univates

Diretor de Logística e Integração da Seinfra palestra na Univates

Alunos do curso de Logística da Univates, professores, empresários e comunidade prestigiaram na noite desta quinta-feira, dia 26, no auditório do Prédio 11, a palestra "Propostas para os próximos anos em relação aos gargalos logísticos no RS", com o diretor de Logística e Integração da Secretaria de Infraestrutura e Logística do Rio Grande do Sul (Seinfra), Álvaro Rodrigo Woiciechoski da Silva. O evento teve por objetivo identificar os principais gargalos logísticos do RS e verificar quais são as propostas para os próximos anos na resolução destes gargalos.

No início da atividade, o Vice-Reitor e Pró-Reitor de Ensino, Carlos Cândido da Silva Cyrne, desejou bom evento aos presentes. Em seguida, o representante do governo do estado Álvaro Rodrigo Woiciechoski da Silva iniciou a palestra explicando que o RS tem orçamento de 40 bilhões e que 3% dele é investido na área de logística.

Após, Silva, explicou o histórico e os dados sobre o sistema de logística no estado. “A partir de 1950 voltou-se fortemente para o modal rodoviário. Hoje, as estatísticas mostram que 85% da produção é escoada pelas rodovias, 8,80% ferroviário e 3,60% hidroviário”, destaca.

Ainda segundo ele, levando em consideração a geografia do RS, há desequilíbrio no modal gaúcho. “Temos 728 km de hidrovia, considerando a Lagoa dos Patos, Rio Jacuí, Rio Taquari, Lagoa Mirim e canal São Gonçalo, porém não investimos o quanto deveríamos”, explica.

O palestrante ainda destacou que o estado tem o papel de orientar a sociedade de acordo com seus interesses e deixou um recado aos futuros profissionais da área de logística: “Planejamento é fundamental para a atuação do agente intermediário na cadeia logística”.

A atividade foi gratuita e integrou a segunda edição do evento "Logística na Prática", promovido pela coordenação do curso de Logística da Univates.


 

Texto: Ana Paula Vieira Labres

Professora participa de encontro no Dia Mundial da Propriedade Intelectual
Professora participa de encontro no Dia Mundial da Propriedade Intelectual

Professora participa de encontro no Dia Mundial da Propriedade Intelectual

Nesta quinta-feira, 26 de abril, Dia Mundial da Propriedade Intelectual, a professora Thaís Carnieletto Muller, coordenadora do curso de Direito da Univates, está na sede do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) participando de um encontro que tem como tema “O INPI e a Sociedade: Estamos no Caminho Certo?”. O objetivo do evento é discutir se o Instituto está adequado com a legislação e cumprindo seu papel e quais caminhos deve adotar nos próximos anos.

Seminário do Agronegócio para Exportação é sediado pela Instituição
Seminário do Agronegócio para Exportação é sediado pela Instituição

Seminário do Agronegócio para Exportação é sediado pela Instituição

Nesta quinta-feira, dia 26, a Univates sediou o 46o Seminário do Agronegócio para Exportação (AgroEx), promovido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e pela Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio do Rio Grande do Sul (SRI). O objetivo do evento foi discutir estratégias para o aumento da inserção do agronegócio brasileiro no mercado internacional, com foco na economia regional.

Na abertura do seminário, o prefeito da cidade de Taquari, Ivo dos Santos Lautert, saudou os participantes e falou sobre a importância de discutir temas relacionados ao agronegócio na região do Vale do Taquari. Em seguida, o reitor da Univates e presidente do Conselho de Desenvolvimento do Vale do Taquari (Codevat), Ney José Lazzari, salientou a importância do controle de qualidade nos produtos dessa área.

Segundo o reitor, a Univates tem um trabalho colaborativo com o Ministério da Agricultura. “Um conjunto de laboratórios tem ajudado a melhorar a qualidade dos produtos da área agrícola na região”, disse ele, salientando que a qualidade dos produtos não deve ser considerada apenas na exportação. “Neste Vale do Taquari há uma produção agrícola intensa, e precisamos investir forte na questão da qualidade”, ressaltou.

Em seguida, o diretor do Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio do Mapa, Eduardo Sampaio Marques, falou sobre a exportação de produtos oriundos do Rio Grande do Sul. “O RS já exporta muitos produtos do agronegócio. E comparado a outros estados, é bastante diversificado em sua produção”, afirmou ele, salientando que a principal atividade do Ministério é a garantia da qualidade sanitária dos produtos.

Na sequência do evento, Marques palestrou sobre “Oportunidades e desafios às exportações do agronegócio brasileiro”. Trazendo alguns dados sobre exportações do agronegócio brasileiro, ele abordou diferentes formas de agregar valor aos produtos, além de falar sobre associativismo como alternativa de produção. “São poucas empresas, e a tendência é concentrar ainda mais”, alertou.

O evento prosseguiu no início da tarde e abordou temas como as principais exigências sanitárias e fitossanitárias do mercado internacional, aspectos relevantes do processo exportador e experiência com programa de saúde animal na pecuária leiteira. O seminário contou com a presença de diversas autoridades regionais e nacionais.

Texto: Tuane Eggers

Aula inaugural de História aborda modernidade e pós-modernidade
Aula inaugural de História aborda modernidade e pós-modernidade

Aula inaugural de História aborda modernidade e pós-modernidade

O curso de História da Univates realizou nesta quarta-feira, dia 25, a aula inaugural do semestre, que contou com a palestra “Modernidade e Pós-Modernidade: bases teóricas”, ministrada pelo professor doutor Astor Antônio Diehl. A atividade teve o objetivo de apresentar as principais correntes historiográficas brasileiras e levantar uma discussão sobre conceitos de modernidade e pós-modernidade.

Diehl iniciou a palestra falando sobre a existência de perguntas muito simples na área da história, mas que possuem respostas muito complicadas. “Essas questões levam ao historiador e sociológo Max Weber, que se questionou sobre o que faz alguém procurar uma verdade durante toda a vida, se de antemão já sabe que não vai encontrá-la”, disse.

Para o palestrante, o século XX é caracterizado por matanças, pelo racismo, pela fome e pelas guerras. “O século XX não conseguiu cumprir o que historiadores do século passado idealizaram como sendo a grande filosofia da história”, afirmou Diehl, considerando que o século foi incapaz de dar continuidade à belle époque.

Vivemos no mundo das especializações e da fragmentação do conhecimento, segundo o historiador. “Vivemos com um conhecimento liminar, com uma validade precária”, salientou ele, afirmando que os historiadores estão preocupados em estudar as ideias de futuro no passado. Conforme o palestrante, a história não tem o papel de explicar, mas sim de compreender.

Diehl foi professor da UFRGS e atualmente leciona no curso de História da Universidade de Passo Fundo. Ele também publicou livros sobre historiografia e teoria da história, temas de suas pesquisas e da palestra que proferiu.

Texto: Tuane Eggers