Notícias

28 de abril de 2017 | imprensa@univates.br

Teoria em prática: uma parceria em prol da saúde regional

A qualificação e a integração com a saúde comunitária estão entre as premissas do curso de Medicina da Univates. Durante a formação acadêmica inúmeras ações são realizadas com os diferentes setores de saúde regional, desde a doação de equipamentos até o suporte clínico. Há cerca de um mês, por exemplo, estetoscópios sonares, oxímetros, aparelhos de pressão e réguas métricas passaram a integrar a estrutura clínica de algumas Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município de Lajeado. 
 
Esses e outros equipamentos foram doados por meio da parceria do curso de Medicina da Univates com os postos de saúde dos bairros Conservas, Olarias e Jardim do Centro, em um investimento de mais de R$ 20 mil, que deve se somar a mais três computadores, chegando à casa dos R$ 30 mil. “Essa iniciativa é muito legal e nos ajuda muito. Até pouco tempo atrás, sem o oxímetro, por exemplo, não tínhamos como realizar a classificação de risco dos nossos pacientes”, explica a enfermeira da UBS do bairro Conservas, Loreni de Moura.
 
Mas as parcerias não param no âmbito estrutural. Além do apoio físico, a relação também possibilita a ampliação médica das Unidades. A cada 15 dias, cerca de 20 alunos do módulo Saúde e Sociedade VI visitam os postos com a finalidade de prestar atendimentos à comunidade. “Desde cedo nossos alunos têm esse contato com a realidade do município. Aqui eles realizam diagnósticos básicos com o auxílio dos docentes do curso. É uma forma de aliar a teoria com a prática”, avalia o professor Carlos Dorneles.
 
E é justamente a possibilidade de colocar em prática o aprendizado adquirido em sala de aula que empolga a estudante Andressa Paz. Acadêmica do sexto semestre, a futura médica deixou a residência no Estado do Piauí para ingressar no curso de Medicina da Univates. “Esse primeiro contato é fundamental para aproximar nossa realidade acadêmica com a situação da saúde do município. Ele nos Permite entender o motivo de cada procedimento ser feito. Sem essa prática a teoria fica muito abstrata”, diz.
 
A inserção de acadêmicos na UBS agrada a enfermeira Loreni. Segundo ela, locais que contam com a presença de estudantes podem ser considerados “diferenciados”. “Todo estabelecimento que tem acadêmicos é enriquecido, pois estes estudantes têm um atendimento diferenciado, em razão das novas metodologias aprendidas em aula”, afirma Loreni. 
 
Texto e fotos: Artur Dullius
Clique para ampliar

Notícias Relacionadas